Cidadãos do Infinito




Sagrada Escritura
  • Voltar





24/09/2021
HOMILIA DIÁRIA - Sexta-feira da 25.ª Semana do Tempo Comum (I)
Um Cristo sem Cruz? - “E vós, quem dizeis que eu sou?” Pedro respondeu: “O Cristo de Deus”. Mas Jesus proibiu-lhes severamente que contassem isso a alguém.


 

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
(Lc 9,18-22)

 

Aconteceu que Jesus estava rezando num lugar retirado, e os discípulos estavam com ele. Então Jesus perguntou-lhes: “Quem diz o povo que eu sou?” Eles responderam: “Uns dizem que és João Batista; outros, que és Elias; mas outros acham que és algum dos antigos profetas que ressuscitou”.

Mas Jesus perguntou: “E vós, quem dizeis que eu sou?” Pedro respondeu: “O Cristo de Deus”. Mas Jesus proibiu-lhes severamente que contassem isso a alguém. E acrescentou: “O Filho do Homem deve sofrer muito, ser rejeitado pelos anciãos, pelos sumos sacerdotes e doutores da Lei, deve ser morto e ressuscitar no terceiro dia”.

 

I. Reflexão

No Evangelho desta sexta-feira, São Pedro professa a fé em Jesus Cristo. É um Evangelho bem conhecido, por trazer um episódio narrado pelos três sinóticos, Mateus, Marcos e Lucas. Por isso, à medida que corre o ano litúrgico, é normal que essa passagem trne a aparecer. Jesus, após um tempo buscando mostrar aos discípulos quem Ele é, finalmente lhes pergunta: E vós quem dizeis que eu sou? São Pedro responde: O Cristo de Deus. É sua famosa profissão de fé. No evangelho de Lucas, logo após essa profissão, Jesus proibiu-lhes severamente que contassem isso a alguém.

Por que Jesus fez isso? Não vinha Ele buscando manifestar-lhes sua identidade? O Senhor pregou o Evangelho, realizou milagres, expulsou demônios, cumpriu o que as profecias tinham previsto, chegou a ouvir de Pedro, iluminado pelo Espírito Santo, aquela profissão de fé, mas lhes proíbe agora contar o que deveriam anunciar aos quatro ventos?

Por quê? Porque a fé de Pedro, embora verdadeira, é ainda imperfeita. Pedro está certo em dizer que Jesus é o Cristo e o próprio Filho natural de Deus, mas o que nem ele nem os outros Apóstolos viram ou podiam compreender é que o Cristo havia de padecer, ser crucificado e ressuscitar ao terceiro dia.

Aqui está o xis da questão. Jesus os proíbe de contar que Ele é o Cristo porque quer que a fé deles, embora certa em muitos pontos, esteja fundada na realidade, e não no que imaginam ou esperam. Isso é muito importante. Nós vamos à Missa todos os domingos e, junto com os outros fiéis, nos levantamos para rezar o Credo, isto é, para fazer, como Pedro, a nossa profissão de fé. Mas cremos por docilidade e com o desejo de conhecer mais a fundo as verdades da fé, ou porque nos acostumamos a repetir fórmulas em que nunca paramos para pensar?

Reservamos tempo para meditar os sagrados mistérios? Sim, as verdades da fé serão sempre misteriosas em si mesmas, o que não implica que não possamos entender nada acerca delas. Eis aqui uma tarefa que não podemos mais adiar: estudar a fé, ao menos em seus artigos mínimos e fundamentais, bem resumidos É também um ponto que deveríamos incluir em nosso exame de consciência antes da Confissão: dedicamos um tempo razoável, dentro do que permitem nossas obrigações de estado, a nos formar melhor na doutrina católica? É verdade, nós cremos e semanalmente professamos a fé em Jesus Cristo; mas é necessário querer conhecê-lo mais.no Credo.

Afinal, quem ama quer saber tudo o que pode sobre o amado. Ora, se amamos a Cristo de verdade, nada mais natural do que querer conhecê-lo. A Deus só conheceremos plenamente no céu, onde o veremos face a face, mas já neste mundo é possível e até necessário aprofundar-se no que Ele revelou sobre si mesmo para a nossa salvação.

Jesus ordena aos Apóstolos que permaneçam calados e não saiam proclamando o que já sabem por fé, pois a fé que têm, se é verdadeira e sincera, é no entanto pouco profunda, além de insuficiente para evangelizar como convém. Isso vale também para os leigos. Os casados, por exemplo, têm o grave dever de transmitir a fé aos filhos; mas, para isso, devem eles mesmos, em primeiro lugar, saber qual é a fé a ser transmitida.

Quem não sabe o que tem a obrigação de ensinar é melhor que fique calado antes de aprendê-lo. É o que Jesus, em termos equivalentes, impõe aos Apóstolos: “Não ensineis o que não sabeis. Tendes fé porque acreditais em mim, mas vos proíbo severamente de o contar aos outros antes de vós mesmos o terdes compreendido: O Filho de homem deve sofrer muito, ser rejeitado pelos anciãos, pelos sumos sacerdotes e doutores da Lei, deve ser morto e ressuscitar no terceiro dia”.

Se entrarmos hoje em qualquer igreja para fazer uma pesquisa sobre o que pensam os católicos a respeito de Jesus, é bem provável que ouçamos a resposta certa: “Jesus é o Filho de Deus feito homem”, e outras não muito precisas, quando não ambíguas e falsas: “Jesus é um iluminado”, “um guia” ou algo assim. Na verdade, não é difícil encontrar na Igreja quem pense “bem” de Jesus; o difícil é achar quem queira segui-lo com a cruz às costas. Será que não estaremos nós nesta situação, parecida com a dos discípulos há dois mil anos, que criam na glória do Cristo Senhor, mas não aceitavam a humilhação do Cristo Servo sofredor?

Acontece que — para repetir um ditado que já virou trocadilho — quem quiser um Cristo sem cruz acabará com a cruz sem Cristo. Esse é o problema. Abracemos a Cristo como Ele mesmo se revelou. Saibamos que a cruz é necessária, não porque o cristão “goste” de sofrer, mas porque é o caminho redentor escolhido por Deus, um Deus de amor que se dispôs a morrer por nós na cruz.

 

site Padre Paulo Ricardo.




Artigo Visto: 558



Total Visitas Únicas: 736.071
Visitas Únicas Hoje: 250
Usuários Online: 21